O que é a esterilidade?

O que é a esterilidade?

“Sou estéril? Não posso conceber um filho?”. É a temida pergunta à que devem se enfrentar numerosos casais quando não consigam alcançar a gravidez. Os problemas de esterilidade afetam até 15% da população em idade reprodutiva (uma de cada seis casais). Muitos dos afetados nem sequer são conscientes de que sofrem um problema até que começam a buscar um filho ativamente.

A boa notícia é que não está tudo perdido: inclusive se você é estéril, podem existir tratamentos que te permitem ter filhos com seus próprios óvulos ou espermatozoides. Dependerá de qual é a causa de sua esterilidade. 

Neste post te contamos tudo o que você deve saber sobre a esterilidade: Em que consiste, por que se produz e que opções você tem.

 

Definição de esterilidade

Conforme a Sociedade Espanhola de Fertilidade (SEF), a esterilidade é a incapacidade para conseguir a gestação depois de manter relações sexuais sem proteção e com uma frequência normal durante o período de um ano.

Um 85% dos casais que está tratando de ter um filho conseguirá no primeiro ano, das quais um terço alcançará a gravidez durante os três primeiros meses. Entre as restantes, apenas 5%  conseguirá uma gestação espontânea ao longo do ano seguinte. Isto significa que a maior parte dos casais que não desenvolva uma gravidez depois de um ano de relações sexuais frequentes sofre algum problema que impossibilita a fecundação do óvulo.

 

O que causa a esterilidade?

Calcula-se que um 15% da população em idade reprodutiva sofre esterilidade. Conforme o integrante do casal que esteja afetado, podemos falar de diferentes fatores:

Fator masculino

O homem é responsável em entre um 35 e um 45% dos casos de esterilidade em um casal. As causas mais habituais são as alterações na produção e o desenvolvimento de espermatozoides ou problemas relacionados com a ereção e a ejaculação.

 

Fator emenino

Diversas dolências nos órgãos reprodutores femininos podem provocar esterilidade na mulher, de alterações na estrutura e a função das trompas de Falópio ou o útero até afeções que impedem ou alteram a ovulação. Isto inclui também doenças como a endometriose.

Também, devemos ter em conta o fator cronológico. Mais da metade das mulheres que acudem a uma consulta com problemas de infertilidade apresentam uma idade avançada. Desde os 35 anos a fertilidade começa a diminuir de maneira acusada, situação que se agrava a medida que nos aproximamos aos 40.

A esterilidade por fatores exclusivamente femininos se dá até  50% dos casais.

 

FATOR MISTO

Nos casos nos que tanto homem como a mulher sofrem algum tipo de problema que limita sua capacidade reprodutiva, falamos de um fator misto de esterilidade. A porcentagem de diagnósticos deste tipo é muito variável, podendo ir desde 20% até 60% dos casos conforme a SEF.

 

Fator de origem desconhecido

Em determinadas ocasiões, as provas médicas realizadas não permite determinar o motivo exato pelo que um casal não consegue ficar grávida depois de um ano de relações sem proteção. É então quando falamos de esterilidade idiopática ou de origem desconhecido. A medida que o conhecimento científico vai avançando se conhecem novas causas de esterilidade e, portanto, se vai reduzindo o grupo de esterilidades de causa desconhecida. Nestes momentos não superam 5%.

 

Como se trata a esterilidade?

O tratamento a aplicar variará em função do problema que tenha originado a esterilidade no paciente. Os casos maikokoggs leves podem solver-se com uma mudança na alimentação e os hábitos de vida, ou bem com medicação.

Se o paciente sofre algum tipo de problema que impede a passagem dos óvulos ou os espermatozoides (por exemplo, uma obstrução nas trompas de Falópio ou nos condutos deferentes), é possível que uma cirurgia permita recuperar a capacidade fértil.

Quando nem sequer uma intervenção cirúrgica seja suficiente, haverá que recorrer à reprodução assistida. Em determinados casos, os tratamentos de reprodução assistida lhe permitem a um casal com problemas de esterilidade conceber um filho com seus próprios gametos.

Quando é necessário procurar a um especialista

Ao passar os primeiros meses sem conseguir a gravidez, muitos casais começam a apresentar-se se necessitam assessoramento médico. 

Em FIV Marbella recomendamos procurar a um profissional se, em condições normais, não se conseguiu a gravidez depois de um ano mantendo relações sem proteção. Em caso de que a mulher tenha mais de 35 anos, este tempo se reduz a seis meses.

Se algum dos membros do casal sofre alguma alteração que possa interferir na consecução da gravidez, como a endometriose ou a síndrome de ovários policísticos, recomendamos contar com assistência de um especialista de imediato.

Se você acredita que você ou seu par pode sofrer algum problema de esterilidade,  recomendamos que procurem a um centro de reprodução assistida onde possam realizar todas as análises necessárias para conhecer seu nível de fertilidade. Em FIV Marbella oferecemos uma primeira visita de maneira gratuita.

 

 

Formulário de contato







Mensagem *

Marque esta caixa se você NÃO QUER receber informações comerciais
.